Início

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

A Batalha do Apocalipse - Resenha


A Batalha do Apocalipse – Da queda dos anjos ao crepúsculo do mundo.
Autor: Eduardo Spohr
Editora: Verus

Sinopse:

Há muitos e muitos anos, há tantos anos quanto o número de estrelas no céu, o Paraíso Celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio, e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o dia do Juízo Final.

Mas eis que chega o momento do Apocalipse, o tempo do ajuste de contas, o dia do despertar do Altíssimo. Único sobrevivente do expurgo, o líder dos renegados é convidado por Lúcifer, o Arcanjo Negro, a se juntar às suas legiões na batalha do Armagedon, o embate final entre o Céu e o Inferno, a guerra que decidirá não só o destino do mundo, mas o futuro do universo.

Das ruínas da Babilônia ao esplendor do Império Romano; das vastas planícies da China aos gelados castelos da Inglaterra medieval. A Batalha do Apocalipse não é apenas uma viagem pela história humana, mas é também uma jornada de conhecimento, um épico empolgante, cheio de lutas heroicas, magia, romance e suspense.

Resenha:


Cometi uma grande injustiça com esse livro, e agora pretendo me redimir.

Adquiri a obra de Eduardo Spohr em meados de julho desse ano, e como ele veio junto com duas outras coleções, acabei me atendo ás coletâneas e fui deixando-o de lado. Quando terminei de ler os outros livros, e estava prestes a abraçar A Batalha do Apocalipse, eis que surge a minha frente outro livro de nome À Beira do Apocalipse, dos autores Tim Lahaye e Craig Parshal. E o fato verídico desse ultimo ser emprestado, me obrigou a deixar mais uma vez o livro de Eduardo em segundo plano.

Para quem não conhece Tim Lahaye, em parceria com outro autor chamado Jerry B. Jenkins, é criador de uma coleção de quinze títulos chamada Deixados Para Trás, e que dá nome ao primeiro livro. A coleção é de cunho religioso e cria um cenário fictício baseado no livro do Apocalipse da Bíblia. Mas não é sobre essa obra que vim me expressar nesse momento.

Como passei pelo Apocalipse de Lahaye antes do de Eduardo, achei melhor esperar mais um pouco e me lancei a outras obras, sobrepondo novos títulos antes de voltar a encarar o Armagedon. E essa foi a minha injustiça.

Enquanto um (o de Lahaye) falava com uma conotação mais religiosa, pautada nos fundamentos citados pela Bíblia, o de Eduardo nos transporta para um cenário avassalador dentro do imaginário humano!

Quem é que nunca desejou, sonhou e até rezou para um Anjo da Guarda? Quem nunca idealizou essa criatura mágica em sua mente, tendo-o como protetor, amigo, companheiro e agora, com tantas paixões entre os humanos e os seres celestes que permeiam um nicho literário na atualidade, um amante angelical também toma forma no universo fantástico e envolvente de insaciáveis leitores.

O meu Anjo Protetor certamente seria Ablon! E no contexto da obra de Eduardo, me vi na pele da Feiticeira de En-Dor, Shamira, e como ela seria capaz de fazer tudo pelo renegado sem ao menos questionar qualquer decisão dele. Confesso que nunca fui fã de Miguel, o arcanjo, baseada nas informações que tinha sobre ele, e A Batalha do Apocalipse acrescentou um ponto negativo a mais em meu conceito sobre esse ser celeste, tantas referencias contrarias a ele devem ter seu fundo de verdade em algum lugar.

Existem na obra muitos fatos históricos que são trançados de maneira tão peculiar e sutil, que nos leva da Mesopotâmia a Atlântida, do Japão ao Rio de Janeiro, de Jerusalém a Constantinopla, de Babel ao Sheol (inferno) sem causar uma confusão migratória em nossas mentes em relação á passagem do tempo. A história mescla passado, presente e futuro de forma concisa e não nos deixa perdidos entre os fatos narrados através do tempo.

Os nomes dos Anjos, de relíquias de ações e espaços em alguns momentos podem nos deixar com a sensação de que não os conhecemos, ou instigar o questionamento de nossas mentes mal treinadas a pensar: Quem é mesmo esse tal de Nahor? Mas o glossário no final do livro nos mantem atualizados com explicações e significados de todos os verbetes e nomes desconhecidos. Sugiro que o leitor iniciante nessa trama leia primeiramente o glossário, e mantenha um marcador sobressalente nessas páginas.

O trabalho de pesquisa do autor deve ter sido a parte mais dificultosa de todo o processo, mas preciso agradecê-lo pelo empenho, pois mesmo sendo a obra fantasiosa e fictícia, esclareceu-me algumas duvidas sobre o tema que ainda permeavam a minha restrita orientação sobre o assunto.

Dentre todas as informações reais e fantasiosas que obtive sobre o tema Apocalipse, inclusive a arbitrária e temerosa orientação da Bíblia, gostaria de pensar, e crer, que existem, sim, seres evoluídos que se preocupam com nossa insignificante existência, e que lutam por defender a mais bela, imperfeita, instigante, invejável e excêntrica obra da criação Divina: O ser humano.



Lu. Franzin

*Nota. - Todas as resenhas expostas nesse blog são de minha autoria e responsabilidade, elas expressam a “minha” opinião pessoal a respeito dos livros lidos. Não é meu interesse denegrir a imagem de nenhum autor, e nem influenciar os novos leitores de maneira negativa ou positiva a adquirirem ou se absterem de alguma obra.


5 comentários:

  1. Legal sua resenha, eu tenho esse livro amais de 4 meses e confesso que também estou igual a vc, adiando sua leitura. Eu não consegui passar do primeiro capitulo, achei cansativo. Talvez eu não estivesse preparada para le-lo ainda. Tenho agora outros livros como prioridade para ler, o que só faz adiar a leitura deste! Sua resenha ficou boa e confesso que deu até vontade de pega-lo na estante, mas ele terá que esperar

    bjs
    Blog Leitura de Ouro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É fato que de início fiquei perdida também, mas faça um pouco de esforço e continue, passando o primeiro e segundo capitulo aposto contigo que vc não vai conseguir se livrar dele antes do final...

      Obrigada!
      Lu. Franzin

      Excluir
  2. Gostei bastante da sua resenha. Você escreveu de um modo muito legal, nobre, não consegui descreve-la.
    Logo logo estarei lendo o livro do Spohr e espero não cometer o mesmo erro que você. Não irei adiar a leitra. Kkk' Beijinhos
    http://coracoesdeneve.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Nossa Lu, que coincidência , eu li A Batalha do Apocalipse e depois li a série Deixado para trás... No começo A Batalha me deixou um pouco confusa, tanto é que vou reler pra postar uma resenha, e te falo , por que perguntei ao autor que ele não fez grandes pesquisas a maioria, segundo ele fora tirado da Bíblia mesmo e o resto só imaginação. E na verdade fui entender melhor o livro depois de ler Filhos do Éden ...Embora não seja continuação:)
    Eu tiro o chapéu pra sua resenha. Mesmo!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Tenho e estou lendo esse livro! Sua resenha está ótima.
    Também escolheria o Ablon! Um mocinho mais realista num livro é sempre bem-vindo.
    Bjss

    ResponderExcluir

Postagens ofensivas com palavras vulgares serão excluídas.