Início

terça-feira, 6 de novembro de 2012

A menina que roubava livros - Resenha.



A menina que roubava livros.
Autor: Markus Zusak
Editora: Intrínseca
Categoria: Literatura Estrangeira / Ficção / Guerra / Alemanha Nazista

Sinopse:



Entre 1939 e 1943, Liesel Meminger encontrou a Morte três vezes. E saiu suficientemente viva das três ocasiões para que a própria, de tão impressionada, decidisse nos contar sua história, em "A Menina que Roubava Livros", livro há mais de um ano na lista dos mais vendidos do "The New York Times". Desde o início da vida de Liesel na rua Himmel, numa área pobre de Molching, cidade desenxabida próxima a Munique, ela precisou achar formas de se convencer do sentido da sua existência. Horas depois de ver seu irmão morrer no colo da mãe, a menina foi largada para sempre aos cuidados de Hans e Rosa Hubermann, um pintor desempregado e uma dona de casa rabugenta. Ao entrar na nova casa, trazia escondido na mala um livro, "O Manual do Coveiro". Num momento de distração, o rapaz que enterrara seu irmão o deixara cair na neve. Foi o primeiro de vários livros que Liesel roubaria ao longo dos quatro anos seguintes.E foram estes livros que nortearam a vida de Liesel naquele tempo, quando a Alemanha era transformada diariamente pela guerra, dando trabalho dobrado à Morte. O gosto de roubá-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito. E as palavras que Liesel encontrou em suas páginas e destacou delas seriam mais tarde aplicadas ao contexto a sua própria vida, sempre com a assistência de Hans, acordeonista amador e amável, e Max Vanderburg, o judeu do porão, o amigo quase invisível de quem ela prometera jamais falar. Há outros personagens fundamentais na história de Liesel, como Rudy Steiner, seu melhor amigo e o namorado que ela nunca teve, ou a mulher do prefeito, sua melhor amiga que ela demorou a perceber como tal. Mas só quem está ao seu lado sempre e testemunha a dor e a poesia da época em que Liesel Meminger teve sua vida salva diariamente pelas palavras, é a nossa narradora. Um dia todos irão conhecê-la. Mas ter a sua história contada por ela é para poucos. Tem que valer a pena.


Resenha:

Há alguns dias vi uma notícia que me deixou ansiosa, apreensiva e empolgada.

Pelo que a mídia divulgou a história de Markus Zusak vai ganhar as telas do cinema. E se, o trabalho dos atores, diretores e afins, for tão condizente com o que conta o livro, preparem-se manteigas derretidas de plantão:  vai ser um "chororo só!". E não se esqueçam de abastecer o depósito de lenços descartáveis. Então, frente a essa informação, resolvi revirar a minha estante em busca dessa história que me fez chorar, rir, chorar mais uma vez, e mais uma vez.

Desculpem, mas sou manteiga derretida! Chorei antes de o Titanic afundar, sabendo que ele ia afundar, e que o Jack ia morrer, e que não tinha outra saída, durante as quatro vezes que assisti ao filme.

Sempre tenho receio de me entregar a livros que nos remetem a fatos históricos verídicos e que marcaram as lembranças da humanidade com tragédias e maldades insanas, que estão além da imaginação humana, mas quando li a frase na contracapa do livro: “Quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler.”, e que substitui a sinopse que é comumente colocada li, não pude me conter e embarquei nas letras traçadas de Zusak.

“Às vezes eu chego cedo demais. Apresso-me, e algumas pessoas se agarram por mais tempo à vida do que seria esperável...”  Pag. 15 – Morte

O narrador da história é a própria Morte, e ela conta a história de Liesel, a Menina que roubava livros. E essa criatura tão temida da vida humana, se mostra tão complacente com a garota, que se você, leitor, tivesse a chance a convidaria para um café da tarde e ouviria que o medo que sentimos por ela é recíproco. E se encantaria com a discrição que ela faz das cores que surgem no céu quando uma alma parte dessa vida.

Liesel Meminger é uma criança que sem ao menos perceber, conseguiu encantar e enganar a Morte algumas vezes, e viveu as restrições e os horrores da Alemanha Nazista ao lado de Rudy. Mas quem acha que isso vai ser uma avalanche de sugestões sombrias engana-se profundamente.

É o olhar de uma garota, é o convívio com as pessoas ao redor dela e a maneira leve e diferente de tratar o amor, com o pouco que esse mesmo amor poderia oferecer a ela.

A história é narrada de forma cadenciada, então uma simples ida até a escola pode demorar um tempo grande, mas a meu ver, são nesses momentos que percebemos o sentimento cru e paupável dos personagens, os lugares, cheiros, sabores e cores da Rua Himmel, e da Alemanha naquela época.

Por todo decorrer do texto oscilamos entre tristeza e alegria. O coração empolgado do leitor fica apertado em certas partes, e em outro momento, um sorriso largo aparece despretensiosamente em nossa face.

Se pudesse resumir todo o livro em apenas uma palavra, diria que é “puro”.

Puro, como a neve, antes de ser manchada pelas facetas escuras e cruéis da guerra.

Puro, como a descoberta das letras, através dos livros roubados.

Puro, como somente o coração de uma criança inocente, pode ser.


Lu. Franzin

*Nota. - Todas as resenhas expostas nesse blog são de minha autoria e responsabilidade, elas expressam a “minha” opinião pessoal a respeito dos livros lidos. Não é meu interesse denegrir a imagem de nenhum autor, e nem influenciar os novos leitores de maneira negativa ou positiva a adquirirem ou se absterem de alguma obra.


15 comentários:

  1. Que fofa sua resenha! amei!
    Ainda não li este livro mais tenho muito vontade. Espero que em breve, pois parece muito bom!
    Parabens
    bjs
    http://leituradeouro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata Flor!
      Vale a pena viu? É maravilhoso!
      Bjo!
      Lu. Franzin.

      Excluir
  2. Oi Lu!!!

    A tempos atrás li esse livro, paguei meus maiores micos chorando no bus indo trabalhar... kkkkk aiai só eu mesmo. O livro é lindo de viver, guardo a mensagem dele até hoje. Perfeito! Indico sempre, é uma bela história.
    Parabéns pela resenha!
    Bjus

    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Iiii Ju, já desisti de me incomodar com os micos...rs..
      Choro Mesmo!!!
      Obrigada!
      Lu. Franzin.

      Excluir
  3. Bela resenha, eu to com esse livro aqui me aguardando na minha lista. Dica mas que anotada. bjs
    Eykler
    www.aghridoce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eykler, vale a pena é encantadora a história...

      Obrigada.

      Lu. Franzin

      Excluir
  4. Gente parece que eu sou a única pessoa anormal
    aqui, pois nunca chorei vendo o Titanic.

    Eu li este livro a muito tempo e tenho que rele para entender melhor.

    rsrsrs


    A resenha ta linda!

    Beijokas! **

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já te falei pq foi bom vc não ter chorado no Titanic...rs...

      Mas Fer, vale a pena lê-lo mais uma vez, eu fiz isso e me apaixonei ainda mais por ele...

      Bjo!

      Lu. Franzin

      Excluir
  5. Ai amiga!!!!
    Que resenha mais linda!!
    Eu também sou manteiga derretida. Todas as vezes que escuto I dremead a dream do musical Os miseráveis eu choro, mesmo que seja uma péssima versão!
    Choro sempre com Titanic. E ultimamente choro até com a música nova do Luan Santana. Acho que na verdade preciso de férias! kkkkkkkk
    Eu adoro esse livro!
    Você já leu Eu sou o mensageiro?
    Putz, Lu! Adoro demais esse outro livro dele. Não se compara a esse na questão filosófica; mas sempre o uso como referência para meus alunos.
    Amei amiga sua resenha!!!!!

    Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Carol...

      E não se preocupe flor, vc não está sózinha no "chororódromo"!!!

      Bjão!

      Lu. Franzin

      Excluir
  6. Eu fiquei apaixonada pelo livro quando o li..
    Todo o livro é maravilhoso e em certas partes, como você, me desmanchei em lágrimas..
    O livro é muito bom mesmo..
    boa noite
    beijos

    http://vdsweetlove.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Naah...
      Esse acabou comigo, além de deixar muitas lições...

      Obrigada pela visita.

      Lu. Franzin

      Excluir
  7. Oi, Lu!
    Adorei a resenha, foi bem reveladora e sincera, detalhada...
    Eu ainda preciso ler esse livro! Sou uma manteiga derretida também e parece que eu gosto de sofrer porque sempre escolho livros impactantes e tristes kkkk
    Adorei esse diferencial do livro: a narração ser da própria morte. Ainda não sabia disso antes de ler a resenha!

    Me deixou mais ansiosa para sofrer KKK
    Beijos, Lê
    http://palaciodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Lê, prepara a caixa de lenços...
      E o fato de a Morte contar a história engrandece ainda mais os fatos mencionados...

      Obrigada pela visita!

      Lu. Franzin

      Excluir
  8. Não vou comentar sobre a resenha em especifico, porque eu não leio resenhas de livro que eu ainda não li, mas eu estou super curiosa sobre esse livro, já ouvi maravilhas sobre ele e eu quero muito ler!
    Acho que nesse fim de ano eu vou arranjar uma brecha entre as leituras de parceria para ler esse!

    Bejos
    http://literaturediary.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postagens ofensivas com palavras vulgares serão excluídas.